Street photography, olhar atento e uma máquina fotográfica a mão, porque nunca se sabe o que pode passar pela frente.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Simple

Saiu cedo e não disse nada.

Ví, do fim do corredor, o rastro do lixo e o trabalho que teria até poder dizer:”Pronto, estou em casa!”.

Leite não derrama; restos de torta; cascas de banana.

Prefiro panelas de ferro - que horas sairei da cozinha? - os panos, que secam no forno, crespos como papel enrugado, não servem para o que quero e o peito permanece molhado.

A casa tem cheiro a felino; juntar as meias jogadas; passou o tempo do menino e  não sei de quem, a quem, e se vem… um mero agrado.

Quem sabe um pouco de ambrosia? Sobra do que estava coalhado. Um tempo fora da rotina, algo ainda a ser reparado.

2 comentários:

tarciso disse...

O belo texto me remete a um registro emotivo, em sépia, feito a foto esmaecida pelo passar do tempo.

Fernanda disse...

Lindo Marcelo, como sempre.