Street photography, olhar atento e uma máquina fotográfica a mão, porque nunca se sabe o que pode passar pela frente.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Instrumento

Não sei onde deixei minha caneta, assim, qualquer folha de papel serviria, um pano para escrever com sangue, mais dramático, mas me bastava uma caneta, e não há nenhuma a mão.

Avalio o título antes do assunto, contradigo minha própria regra para executar uma idéia. Há ação nas palavras que precedem a escrita. Ávido, desejo organizar o texto para que não me fuja. Nomes para personagens, climas para suas vestes, cenário para seus sentimentos e motivos falsos para os atos.

Trago a imagem da última viagem, a trilha que sustente a trama, o sono para me manter onírico, algum sofrimento para fortalecer sentido. Alguns preferem a fantasia e exageram em alegorias, mais concreto, me apego ao abstrato. Paradoxo? Diga isso a minha caneta, onde a teria esquecido?

Nenhum comentário: