Street photography, olhar atento e uma máquina fotográfica a mão, porque nunca se sabe o que pode passar pela frente.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Caderno Antigo

Foi como um convite a voltar a escrever, no entanto, tanto quanto como as chaves e os documentos que nunca acho, a vontade foi se desfazendo por não saber onde havia deixado minhas canetas. Começou com o encontro daquele velho caderno, as notas e rabiscos que não se completavam, assim como minhas vontades, opções e atos. Marcavam uma época sem nome ou diagnóstico, definida e registrada pela forma  anarquicamente organizada para, quem sabe num além, amanhã ou agora,  viessem  a ser  entendidas. Eu, e não sei se mais alguém desta mesma vida, talvez conseguíssemos recordar um mínimo do relato, mas não os vôos do pensamento e os devaneios de uma cabeça que estava a procura de suas idéias. Metonímia,  como as chaves a designar liberdade e outros subterfúgios de quem não se  resolve por idade.

Então,  a  incontrolável vontade de completar os textos ou deslustrar os desenhos que por vezes os acompanhavam. Folheio e releio, são descobertas camufladas, ansiedades transladadas em hiperatividade que pela motricidade perturbadora trazem em indecorosos traços mal legíveis mais um sinal para ser compreendido.  Assumo que não melhorei a letra. Será que ainda vivo agitado e tudo que fiz foi arremedo desta falta de controle? Não estudei caligrafia, mas continuo querendo me entender com estas linhas, e que vontade de passear por elas, tanto do hoje ou do passado.

Mas não acho minhas canetas, e temo um dia vir a  perder este entusiasmo.

Nenhum comentário: