Street photography, olhar atento e uma máquina fotográfica a mão, porque nunca se sabe o que pode passar pela frente.

sábado, 31 de maio de 2008

Sonho

"Era uma daquelas tardes de pegar piscina, acho que meu pai havia batido como carro, mas tinha sido coisa pouca. Eu queria mesmo era poder chamar os amigos mas eles não estavam por perto, então troquei as figurinhas da nave Apolo com meu irmão, mesmo sabendo que ele não teria nenhuma que me interessasse muito. Meu pai falava que queria trocar de casa, que a que viviamos estava pequena, mas o que isto tinha a ver com o acidente, nada... Pensei que poderia estar com a minha namoradinha, mas ao mesmo tempo lembrava que ela não me dava a menor atenção desde que tive coragem de ter me declarado, mas isso não impediu que eu casasse algumas vezes, mesmo tendo que comer sozinho uma caixa inteira de bombons que eram para ela. O nome? Lílian, com dificuldade recordo. Agora alguém grita, estou dividindo o tempo com outra colega, a piscina fica para outro dia, ou nem fica porque me vejo mais adulto e sei que não gosto mais de ficar na água, nem da Lílian que voltou a me negar de amigo quando a convidei para o Orkut, pudera, ela esta casada, talvez não pela enésima vez como eu que fui relegado na primeira fase. Agora tem um ruido aqui mais forte, estão me chamando porque tem trabalho, não sou mais criança, nem estou colando as fotos, o homem não vai mais a lua e eu tenho que acordar para atender quem me chama, logo vou acordar para toda a realidade, deve ser por isso que não consigo responder o chamado, estou com o rosto molhado, mas é saliva, meus amigos não foram encontrados e tempo esta esgotado."

Nenhum comentário: